Arquivos

Ciências Humanas

Esta categoria contém 77 posts

Dicas de leitura de férias, por Slavoj Zizek

O blog da Boitempo elencou as sugestões do filósofo esloveno e nós, do Perspectiva, facilitamos o caminho do leitor. Boa leitura! L’ envers de la dialectique: Hegel à la lumière de Nietzsche, de Gerard Lebrun – aqui The Persistence of Subjectivity: On the Kantian Aftermath, de Robert Pippin – aqui Hegel Variations: On the Phenomenology of the … Continuar lendo

A aproximação entre Grécia e Rússia

As notícias sobre a crise econômica na Grécia vêm dando espaço para todo tipo de especulações sobre o futuro daquele país. Para muitos, a saída da União Europeia é questão de tempo: a Grécia, dizem eles, não tem mais condições de seguir no bloco e qualquer ajuda momentânea é apenas adiamento do inevitável. Dentre estes, há dois … Continuar lendo

Georges Bernanos: “Nós não éramos de direita”

“Os Grandes Cemitérios sob a Lua” talvez seja o mais conhecido livro de combate do romancista francês Georges Bernanos,  autor de “Sob o Sol de Satã” e “Diário de um pároco de aldeia”. Escrito no período em que residiu na Espanha, durante a tristemente famosa Guerra Civil daquele país,  é dirigido aos seus compatriotas como um alerta sobre o estado … Continuar lendo

“Breviário da Decomposição”, de Émile Cioran

 “Só tem essas convicções aquele que não aprofundou nada”. Essa frase de Emil Cioran praticamente resume o seu pensamento Pertencente à grande tradição de despertadores de espíritos, da qual fazem parte Nietzsche, Pascal ,Kierkegaard e Unamuno, o filósofo romeno foi, durante todo o século XX, uma espécie de posto avançado da oposição ao predomínio da … Continuar lendo

Nova edição de “Monções”, de Sérgio Buarque de Holanda

“Monções” marca um momento de transição na carreira intelectual de Sérgio Buarque de Holanda. Publicado em 1945 – nove anos após o clássico “Raízes do Brasil”- , ali o jovem ensaísta, jornalista e crítico literário dos anos 20, 30 e começo dos 40 começa a dar lugar ao historiador e acadêmico, autor de obras como “Caminhos e … Continuar lendo

800 anos da Magna Carta

Original da Magna Carta de 1215 Quem quiser falar hoje da Magna Carta inglesa é obrigado a qualificá-la para evitar confusões. Não se pode, simplesmente, dizer “Magna Carta”: é preciso especificar que se trata do documento assinado pelo rei João Sem Terra em 1215, sob ordens e ameaças dos barões insatisfeitos, o qual limitava-lhe os … Continuar lendo

Morte e imortalidade

O problema da morte parece ausente da filosofia contemporânea – ao menos da filosofia que enche as salas de aula das faculdades, as páginas dos manuais nos capítulos de “filosofia contemporânea” e os cadernos de cultura dos jornais mais prestigiados. Não é o único: estão também ausentes temas como Deus, a eternidade e, às vezes, … Continuar lendo

Uma página de Doutrina Social da Igreja

Colaboração do amigo Victor Garcez.

Entrevista com José Guilherme Merquior em 1981

Entrevista de José Guilherme Merquior, concedida à revista VEJA em 1981. Original aqui. Quarta-feira passada, jantando com autoridades brasileiras na Granja do Ipê, residência oficial do chefe do Gabinete Civil da Presidência da República, o ex-secretário do Estado americano Henry Kissinger foi saudado pelo ministro João Leitão de Abreu num discurso encastoado com finas citações … Continuar lendo

“As três humanidades”, por Mário Ferreira dos Santos*

Mário Ferreira dos Santos* A civilização é a metrópole. Cada vez cresce mais a separação entre os metropolitanos e os provincianos. Enquanto estes continuam a ser os guardiões das culturas, aqueles aniquilam-se na morte das ideias, que substituem por brilhos de moeda falsa. Estamos numa época de decadência, porque se instaura definitivamente no mundo, mais … Continuar lendo

“Estamos en el totalitarismo democrático, en el que los hombres creen ser libres”

Entrevista do jurista e cientista político espanhol Dalmacio Negro Pavón, autor de “El mito del hombre nuevo” e “Historia de las formas de Estado”. O original da entrevista está aqui. – Comienza su nuevo libro hablando del proyecto de construcción de una nueva religión secular. ¿Podría explicarnos qué clase de religión es esta? – Sus … Continuar lendo

Cristóvão Tezza, a Galiza e o idioma galego

“O que é especialmente interessante é a atração galega pela cultura e pela língua brasileiras, com as quais a Galiza parece se identificar mais profundamente do que com a própria Espanha, de que é parte política. As razões deste deslocamento deliberado da consciência galega estão além dos limites da crônica; fico na questão linguística, que … Continuar lendo

Lição sobre tradição e progresso

“Com efeito, o tradicionalismo conservador, ou passadismo, não cultiva a árvore, já que mais que a vitalidade desta ele é premido a colocar os próprios interesses e a própria preguiça no lugar de folhas e ramos secos. O revolucionarismo futurista, por sua vez, julga pela aparência, elimina a árvore: o primeiro é inimigo oculto da … Continuar lendo

“A montanha que devemos conquistar”, de István Mészàros

Acaba de ser publicado no Brasil o mais recente livro de István Mészáros, “A montanha que devemos conquistar”. É um título que chama a atenção na livraria. Não é comum encontrar obras com um tom convocatório tão otimista e encorajador, exceto, talvez na prateleira de auto-ajuda, onde Mészáros não gostaria que suas obras fossem colocadas. … Continuar lendo

90 anos de Raymundo Faoro

Neste dia 27 de abril o jurista, cientista político e sociólogo Raymundo Faoro, morto em 2003, completaria 90 anos. Em lembrança pela passagem da data publicamos esta entrevista, concedida em 2000 à “Folha de São Paulo”, onde fala de sua formação, da atividade intelectual – incluindo a confecção de sua obra maior, “Os Donos do Poder” … Continuar lendo

De Siegfried a São Jorge

“São Jorge matando o Dragão”, relevo em mármore de Donatello, Museu del Bargello, Florença-Itália O guerreiro Siegfried é um dos heróis mais importantes da mitologia nórdica. Personagem principal da Canção dos Nibelungos, tradicional história germânica que baseou a ópera de Wagner, aparece em várias outras narrativas do Norte da Europa, como a saga Volsunga dos islandeses. Seu inimigo … Continuar lendo

O aparato, por Otto Maria Carpeaux

“O aparato deseja que o sirvam. Para o serviço, não precisa de homens geniais, de homens bons. Melhor o serve a mediocridade capaz; não é preciso talento, mas destreza para conseguir um posto proveitoso no aparato. Diligência mediana e decência mediana já são coisa extraordinária. Para que mais? Afinal,não somos todos senão engrenagens nessa máquina … Continuar lendo

Marxismo e descendência

“Marxismo e descendência”, de Antônio Paim (Vide Editorial, 596 páginas), inscreve-se numa respeitável linha de estudos de largo alcance sobre o marxismo, da qual fazem parte o polonês Leszek Kowalowski, com seu “Main currents of Marxism: its origin, growth and dissolution”, e François Furet, com “O Passado de uma ilusão” . O trabalho deste acadêmico baiano, especialista … Continuar lendo

O humanista Edward Said

“Humanismo e crítica democrática” foi o último livro concluído pelo crítico e ensaísta palestino Edward Said antes de sua morte, em 2003. Não fosse o seu tamanho relativamente diminuto (apenas 183 páginas) e o fato de ser uma coletânea de ensaios e palestras, poderíamos dizer, sem receio, que é a obra mais representativa dos fundamentos … Continuar lendo

Algumas edições de William Morris

William Morris foi designer, pintor, poeta, romancista, tradutor, jornalista, empresário de sucesso, líder político e editor. Seus livros – os de sua autoria, e aqueles que editou – levam a marca da sua paixão pela cultura da Inglaterra medieval, um verdadeiro antídoto para o mau gosto maquinizado de sua época. William Morris nasceu em 23 … Continuar lendo

Walter Burkert (1931-2015)

Neste último sábado, dia 14, no silêncio que convém aos homens de estudo, faleceu Walter Burkert, um dos maiores helenistas do último século e deste que inicia. Na verdade, dizer “helenista” não é dar a exata dimensão da relevância de seu trabalho. Não que ser helenista signifique pouco: definitivamente, não é.  A questão é que este … Continuar lendo

Irmão Norberto Luís Nesello: ““Toda escola precisa de alunos que queiram estudar, uma instituição bem preparada e pais para auxiliar”

O Blog Perspectiva passa, a partir de hoje, a publicar uma entrevista todas as sextas-feiras com personalidades ligadas, de alguma forma, aos temas por nós abordados. Para dar início a esta série, escolhemos o professor do Unilasalle, Irmão Norberto Luís Nesello, que há sete décadas – sim, sete décadas – dá aulas na instituição, primeiro no colégio … Continuar lendo

Pensadores da Nova Esquerda

Roger Scruton é um dos nomes mais importantes do atual pensamento conservador britânico. Professor de Estética na Universidade de Londres e autor de mais de trinta livros, em seu país é conhecido sobretudo pelos animados debates que trava com intelectuais de esquerda. Até mesmo um de seus mais duros opositores, o crítico literário marxista Terry … Continuar lendo

“O Impeachment”, de Paulo Brossard: lições de uma leitura

O jurista gaúcho Paulo Brossard sempre se caracterizou por ser um homem elegante e de hábitos cavalheiresco. Como se sabe, a um homem elegante não fica bem vangloriar-se publicamente de seus próprios feitos, e pior ainda no prefácio de uma obra de sua autoria. Quando este autor conta somente quarenta anos trata-se, então, de atitude quase … Continuar lendo

Nova edição de “Raízes do Brasil”

A Companhia das Letras acaba de reeditar “Raízes do Brasil”, a primeira, mais conhecida e mais influente obra de Sérgio Buarque de Holanda. Já lá se vão quase oitenta anos da primeira edição. Não parece. Ao contrário do que se passa com um Gilberto Freyre ou um Caio Prado Júnior, seus companheiros de geração, que precisam … Continuar lendo

“Pensar o atentado ao Charlie Hebdo”, por Slavoj Zizek

É agora – quando estamos todos em estado de choque depois da carnificina na sede do Charlie Hebdo – o momento certo para encontrar coragem para pensar. Agora, e não depois, quando as coisas acalmarem, como tentam nos convencer os proponentes da sabedoria barata: o difícil é justamente combinar o calor do momento com o ato de pensar. Pensar … Continuar lendo

Palestra de Roberto Mangabeira Unger na USP

Dando nome aos ‘progres’

Miguel de Unamuno era um grande defensor do intercâmbio entre as nações ibéricas. Contrariando a tendência dominante em Espanha naquela época, convidava o leitor espanhol a estudar Portugal e a língua portuguesa, não para buscar algo novo e diferente, mas para conhecer algo melhor de si mesmo. No campo linguistico, o estudo do português – dizia-nos Unamuno – … Continuar lendo

Programa Diálogo – n.5 – Celso Augusto Uequed Pitol e Marcus Paulo Rycembel Boeira

  Quinto programa “Diálogo”, com Celso Augusto Uequed Pitol e Marcus Paulo Rycembel Boeira, tratando da obra de Carl Schmitt pela ocasião da tradução de “O Nomos da Terra”. O programa foi gravado pouco antes do lançamento da tradução. Pedimos desculpas por alguns problemas de áudio durante a gravação.

Miguel de Unamuno (1864-2014)

  “A consciência da morte e a ânsia de morrer, a fome de imortalidade pessoal, o propósito com que tendemos a persistir indefinidamente em nosso ser próprio e que é nossa própria essência, isto é, a base efetiva de todo o conhecer e o íntimo ponto de partida pessoal de toda filosofia humana”

Alexander Dugin e a marcha da Tradição

Alexander Dugin A Biblioteca Estatal Russa ocupa um grande e privilegiado espaço no centro de Moscou. Localizada nas proximidades do Kremlin, é considerada a terceira maior do mundo, contando aproximadamente 18 milhões de volumes dispostos em prateleiras que, colocadas lado a lado, somam 280 quilômetros em linha reta, informação que os orgulhosos guias fazem questão … Continuar lendo

Jacques Le Goff (1924-2014)

  Alain Touraine, na resenha da primeira edição de “A Civilização do Ocidente Medieval”:   “A obra militante de Jacques Le Goff deve nos fazer lembrar do objeto comum das ciências humanas: o estudo das formas sociais e culturais nascidas da luta da ação contra a imobilidade do objeto, natural ou social.”  

Ler Oswald Spengler em 2014

Quando “A Decadência do Ocidente” foi publicado pela primeira vez, em julho de 1918, poucos poderiam imaginar — e decerto não o seu autor, Oswald Spengler — que, em menos de quatro anos, o primeiro tomo da monumental obra venderia nada menos do que 53 mil exemplares, cifra que viria a repetir-se com a publicação … Continuar lendo

Andrei Plesu

A Editora É Realizações vem suprindo uma carência no mercado editorial brasileiro com a publicação de autores romenos, incluindo aí os nomes contemporâneos, que passaram pela ditadura de Ceaucescu e o processo de democratização do país. Assim, já podemos encontrar nas livrarias as obras do filósofo Constantin Noica, do escritor e monge ortodoxo Nicolae Steinhardt, … Continuar lendo

O tempo de Arturo Pérez-Reverte

As notícias que chegam da Espanha nos dizem que o país se encontra em profunda decadência econômica e social e que os espanhóis estão, como nos piores momentos de sua história, deixando a pátria em busca de emprego e meios de vida em outras terras. Quanto aos que ficam, dizem, estão cabisbaixos, tristes e sem … Continuar lendo

Chomsky vs. Zizek

Excelente introdução ao debate entre os dois gigantes da esquerda no Blog da Boitempo. Mais um capítulo da velha querela entre a filosofia continental (representada por Zizek) e a anglo-saxã (representada por Chomsky)? Talvez evolua para tanto, e se acontecer, será excelente: estaremos diante de uma verdadeira disputa, à moda antiga, entre dois nomes de … Continuar lendo

Relendo Hegel

O filósofo esloveno Slavoj Zizek possui uma curiosa predileção por temas e autores que o debate intelectual moderno relegou a segundo plano ou simplesmente descartou. Por exemplo: em um de seus livros, “Em defesa das causas perdidas”, tenta reabilitar a teoria e a prática revolucionárias em nosso contexto atual; em outro, “Às portas da revolução” … Continuar lendo

Rumo à Estação Finlândia

    Um trem vindo da Alemanha chegou à estação Finlândia, na cidade russa de São Petersburgo, no dia 3 de abril de 1917. Entre os seus passageiros encontrava-se Vladimir Ilitch Ulianov, mais conhecido pelo nome de Lênin. Naquela altura, o líder bolchevique já não se via como o indivíduo Vladimir Ilitch Ulianov, com desejos, … Continuar lendo

Uma página de Fernando Sánchez Dragó

Um trecho do jornalista, escritor e ensaísta espanhol Fernando Sánchez Dragó, gentilmente enviado (e anotado) pelo nosso caro amigo e leitor Victor Garcez. Ainda escreveremos sobre Dragó neste blogue.

A vida intelectual

Publicado pela primeira vez em 1921, “A Vida Intelectual”, de A. D. Sertillanges é uma das mais conhecidas obras de introdução aos estudos superiores já escritas. Sucesso nos EUA e na Europa, o livro (no original francês) teve boa circulação nos meios católicos brasileiros décadas atrás e ainda pode ser encontrado em antigas bibliotecas. Felizmente, … Continuar lendo

1922

  Uma das interpretações da profecia maia que marcou o corrente e quase findo ano era a de que o mundo não terminaria em 2012, mas sim passaria por uma radical transformação em todos os níveis e abriria espaço para uma nova era. Se esta interpretação está correta – e deve estar, tendo em vista … Continuar lendo

“Os brasileiros não se sentem latinoamericanos”

Daqui. Reinaldo Montero: Sabe o que acontece? Os brasileiros, a maioria deles ao menos, não se sentem latino-americanos. Isso é muito curioso porque a influência do Brasil na América Latina e, em especial, em Cuba, é extraordinária. O conhecimento que há do Brasil em Cuba é enorme: o tropicalismo, o Cinema Novo, o primeiro título … Continuar lendo

Eric Hobsbawm (1917-2012)

Faleceu na última segunda-feira, vítima de pneumomia, o historiador britânico Eric Hobsbawm. As homenagens vieram de todas as partes: desde o político profissional, que provavelmente nunca leu uma linha sua, até o historiador profissional, que o conhece desde os primeiros semestres na graduação, passando pelo que ele definiu certa vez como “aquele cidadão culto e … Continuar lendo

Um grande livro equivocado

O liberal Raymond Aron tinha uma opinião definitiva sobre o marxismo: “Creio não haver doutrina tão grandiosa no equívoco, e tão equívoca na grandeza. Foi por isso que a ela dediquei tantas horas”. Após termos dedicado algumas horas à leitura das 477 páginas de “Em defesa das causas perdidas”, de Slavoj Zizek (Boitempo Editorial, tradução … Continuar lendo

Quando a Páscoa chega ao Sul

O monge anglo-saxão Beda, o Venerável (672-735) , talvez tenha sido o primeiro representante daquela figura, hoje clássica, do jesuíta perdido entre antropófagos. Homem cultíssimo, versado em latim, grego e hebraico,  intérprete aprofundado das Escrituras e interessado em temas tão díspares quanto astronomia, retórica e história, vivia numa terra que muito pouco tinha a ver … Continuar lendo

“O homem de hoje não tem um centro ordenador.”

Entrevista: Vitor Hugo Couto Triska, psicanalista Conheço Vitor Hugo Couto Triska há nada menos do que 23 anos. É muito tempo – e torna-se mais tempo ainda quando se tem em mente que eu e ele temos 28 anos. E é com a proximidade de quem tem a mesma idade, estudou no mesmo colégio (aliás, … Continuar lendo

Programa “Diálogo” – número 3 – com Celso Augusto Uequed Pitol e Marcus Paulo Rycembel Boeira

Neste segundo programa “Diálogo”, eu e meu amigo Marcus Boeira abordamos a publicação do livro “”A Natureza da Democracia Constitucional”. Desde já, agradecemos a audiência e aguardamos manifestações dos leitores.

Programa “Diálogo” – número 2 – com Celso Augusto Uequed Pitol e Marcus Paulo Rycembel Boeira

Neste segundo programa “Diálogo”, eu e meu amigo Marcus Boeira abordamos o tema do totalitarismo moderno. Desde já, agradecemos a audiência e aguardamos manifestações dos leitores.

Entrevista: Cleusa Graebin, historiadora

Entrevista: Cleusa Graebin, historiadora   “Acho que nós, professores de História, podemos ajudar a fazer a diferença”.   Por Celso Augusto Uequed Pitol Quase todo lassalista que completou o Ensino Médio (então segundo grau) durante os anos 90 teve aulas ou ao menos ouviu falar da professora Cleusa Graebin. Para o aluno que estava se … Continuar lendo

Foucault e o Irã

    “Foucault e a revolução iraniana” (É Realizações, 480 páginas) é um livro que irá surpreender (e decepcionar) muita gente nos bancos acadêmicos do país. O propósito de seus autores –  a historiadora iraniana Janet Afary e o cientista político americano Kevin B. Anderson – é analisar um evento muito pouco conhecido da biografia … Continuar lendo

Visualizações

  • 1,785,053 visitas

Nossos parceiros

Mais recentes

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 47 outros seguidores