Anúncios
Esportes

Peñarol: glória e decadência

article400

Um dos grandes acontecimentos da indústria cultural moderna foi o surgimento do cinema falado, lá por volta do fim dos anos 20. A assistência, é claro, adorou saber que poderia ouvir a voz dos seus ídolos em vez do monótono pianinho que acompanhava as sessões. O sucesso foi imediato, e imediata foi também a deposição dos grandes ídolos do antigo cinema mudo, como Douglas Fairbanks, Mary Pickford e Lilian Gish. Todas as técnicas de encenação, todo o gestual, todo o tempo da narrativa do cinema mudo estavam irremediavelmente obsoletos para o novo formato de filmagem. Quem era grande no cinema mudo teve de mudar para continuar grande no novo cinema.

Na última quinta-feira, 28, o Peñarol entrou em campo para jogar contra o Independiente de Medellin sem patrocínio na camisa. Poucos clubes hoje fazem isso. Que eu lembre, só o Barcelona, pleno do velho espírito irredentista catalão,  pode se dar ao luxo de não transformar sua camisa em uma página de classificados, tanto maior quanto menor é a expressão do time. O que antes era uma honrada obrigação de toda equipe – impedir a violação do manto sagrado – tornou-se um luxo acessível apenas a um dos clubes mais ricos do mundo. Clube que entra em campo sem patrocínio e sem dinheiro para segurar o tirão  é um anacronismo ambulante e destinado ao fracasso. É o que todos sabem e esperam.

Pois anacronismo ambulante talvez seja a melhor expressão para qualificar o Peñarol de Montevidéo, pentacampeão da América, tricampeão do mundo, dezenas de vezes campeão uruguaio, dono de uma lista de ex-jogadores capaz de fazer inveja a qualquer  clube europeu, neste milênio que acabou de iniciar. Quando os onze homens vestidos de jalde-negro entraram no gramado na dia 28 parecia que estávamos assistindo ao retorno daqueles velhos atores do cinema mudo em filmes de segunda categoria, desesperados por retomar a outrora gloriosa carreira. Tudo lembrava a passado: a camiseta limpa de patrocínios, os velhos nomes (um Dario Rodriguez, um Antonio Pacheco, um Pablo Cavallero, um De Los Santos, todos ex-titulares de seleção e ex-titulares de grandes da Europa contratados às pressas para a Libertadores),a postura altiva, o velho four four two aprendido daqueles ingleses donos de frigoríficos às margens do Rio da Prata – antigo e fascinante, como um filme mudo de um Eisenstein, um Fritz Lang, um D.W. Griffith, um Charles Chaplin costumam ser. Indiscutivelmente datado, como eles também costumam ser.

penarol1966

Comemoração pelo título da Libertadores de 1966

Alguns poderão argumentar que o Peñarol só é datado porque vem, de certa forma, de um país “datado”. A ascensão e queda do futebol rioplatense é a ascensão e queda do Rio da Prata, e as lembranças de seus dias gloriosos é a perfeita encenação da máxima dantesca de que nada é mais triste do que relembrar das glórias passadas durante a decadência.  Grandes nomes do passado – o Racing, o Estudiantes, o Independiente,  o Nacional de Montevidéu e o próprio Peñarol – já não assustam ninguém e, a seu favor, os comentaristas brasileiros só lembram que a tradicional garra platina pode trazer alguma surpresa. Geralmente não traz. No esporte que é caixinha de surpresas o imponderável parece ter sido banido dos jogos dos times argentinos e uruguaios. Sobretudo dos uruguaios. E mesmo assim o Peñarol entrou em campo no dia 28 de janeiro, na última quinta-feira, sem patrocínio, com os velhos jogadores, o velho esquema e a velha altivez para enfrentar o Independiente de Medellin.

O jogo valia pela pré-Libertadores. Em outros tempos, já seria um ultraje chamar o grande Peñarol para disputar um torneio classificatório de uma competição que ele já venceu cinco vezes e participou outras dezenas. Nas décadas de 70, 60, 50 e até 40, o Peñarol ia à Europa enfrentar o Real Madrid, enfiava goleadas memoráveis e, quando os europeus cercavam seus maiores craques, estes nem respondiam. Os uruguaios podiam ganhar menos do que os europeus, mas nada podia comprar o prazer de envergar a 9 que havia sido de Alberto Spencer ou a 5 de Obdulio Varela. Um poster antigo do Peñarol campeão da Libertadores em 1959 resumia tudo isso na seguinte frase: “La gloria se llama Peñarol”. Um recado para os adversários como o Indepedendiente de Medellin, prestes a enfrentar nada menos do que a glória naquela noite agradável no alto da cordilheira dos Andes, como costumam ser todas as noites de verão naquelas paragens.

nando

O centroavante Fernando “El Potro” Morena, símbolo de um Peñarol vencedor

O mais triste de tudo o que aconteceu não foi a brutal ineficiência técnica do Peñarol. O mais triste não foi o fato de que os antigos craques não jogam mais nada. O mais triste e dolorido com certeza não foi o acachapante 4 a 0 aplicado pelo pouco conhecido clube colombiano, que nunca chegou sequer a uma final de Libertadores e dificilmente um dia chegará. O mais dolorido para o orgulhoso torcedor carbonero foi a complacência dos jogadores ao tomar um gol atrás do outro, fuzilados pelos rápidos contra-ataques de jogadores colombianos que nunca aprenderam a respeitar o velho guerreiro montevideano porque nunca o viram ganhar nada. A insolência do Independiente ganharia uma resposta rápida e mortal em outros tempos. Nesta terça-feira, em Montevidéu, recebeu apenas a cabeça baixa e a resignação melancólica de quem sabe que seu momento de sair de cena chegou. Há anos o velho Peñarol já não disputava uma Libertadores e, neste ano, quando ousou postular um lugarzinho no torneio, nem que fosse apenas de honra, recebeu o recado de que o topo do futebol moderno já não é para ele e sua camisa sem patrocínios, seus jogadores que voltam da Europa por puro amor à camisa e seu clube movido apenas pela paixão enlouquecida de sua hinchada. O Peñarol eliminado de hoje é o símbolo deste futebol que está indiscutivelmente morto e, como os filmes mudos de Eisenstein e Lang e os beijos de Pickford e Fairbanks, só voltará aos nossos corações e mentes daqui para a frente como a recordação respeitosa de algo – algo grandioso e belo – que se foi para sempre.

Anúncios

Discussão

4 comentários sobre “Peñarol: glória e decadência

  1. Perfeito. A Libertadores sente falta do antigo Peñarol.

    Curtir

    Publicado por Fábio | 4 de fevereiro de 2009, 18:54
  2. eliminados pq fugiram do grupo do São Paulo…fracos…

    Curtir

    Publicado por Marcio | 8 de fevereiro de 2009, 01:38
  3. O quê aconteceu com esse bicho papão continental. Hoje não assusta mais ninguém, a não ser o próprio torcedor do Penarol, ao ver o clube com tanta mediocridade.

    Terá sido seus dirigentes?

    Curtir

    Publicado por Ivan Chitolina | 8 de fevereiro de 2009, 11:47

Trackbacks/Pingbacks

  1. Pingback: ASCENSÃO E QUEDA DE UM COPEIRO « A Vida e a Obra de… - 9 de fevereiro de 2009

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Anúncios

Apoio

http://www.rainhadasnoivas.com.br/

Curta o Perspectiva no Facebook

INSTAGRAM DA ARTISTA YASSMINE PITOL

Uns riscos. #skech #quicksketch 💙 #sketch #arts #sketch #arts Quick sketch. #sketch #draw #arts Rabiscos #sketch #draw

Mais recentes

Estatísticas do blog

  • 2,220,735 visitas
%d blogueiros gostam disto: