Cidade dos Tocos, Ecologia

O portão do parque

O Parque Municipal Getúlio Vargas em Canoas /RS é um dos locais  destinatário de meu afeto. Amo o parque e sempre me revigorei caminhando por ali, sentindo o arzinho frio de fim de tarde nos dias amenos e a refrescante sensação provocada pelas árvores amigas nos quase intoleráveis dias de verão. Gosto da sensação de estar longe do burburinho urbano sabendo que estou perto das vantagens que ele proporciona. A sensação de informalidade de subir o pequeno barranco  e entrar no parque já na pista de caminhada , pelo portãozinho lateral, sempre me foi prazeirosa. Fazia parte do “ritual” de fim de tarde. E sei perfeitamente que esse gostar não  é exclusividade minha.  A crescente frequência do parque demonstra isso.

parque2

Esse prazer foi quebrado no final de 2008 quando o parque foi cercado e o portãozinho fechado  pelo medonho muro, sob o argumento de aumentar a segurança dos moradores do residencial ao lado.  Como se resistentes cercas de arame e portão fechado à noite não resolvessem o problema de segurança de forma tão ou mais eficiente do que um muro que pode ser  facilmente transposto por jovens com corpos leves.E cerca de arame não impediria a visão de quem circula pelo parque e/ou pelo residencial.

A harmonia foi quebrada. Parque de um lado e “gueto” de outro,  assim ficamos.Imperando esse raciocínio segrecionista  não existirão muros de concreto suficientes para atender a demanda. Mas essa é outra discussão. Quanto ao meu/nosso parque, ele foi brutalmente atingido pelo muro. A magia foi quebrada, a beleza diminuida e , além disso, o acesso dificultado.

parque-normal

Quando aqui postávamos e exaltávamos o parque esquecemos os poetas e seus alertas. Enfocávamos o parque Getúlio Vargas belo  como ele era, imaginando que ele assim permaneceria. No entanto, passando por ali nesses dias me vinha à cabeça o que nos legaram a genialidade de autores do cancioneiro brasileiro.

Disse Cássia Eller :

“Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar
Que tudo era pra sempre, sem saber, que o pra sempre
Sempre acaba…”

Disse Lulu Santos:

“Nada do que foi será
De novo do jeito que já foi um dia
Tudo passa
Tudo sempre passará”

ou Chico

“Quem não a conhece  não pode mais ver pra crer e quem jamais a esquece não pode reconhecer.”

Passou. Aquela integração, aquele despojamento no limite certo faz parte do passado, com a presença do concreto do medonho muro.

A caminhada no parque visava o prazer e agora ele fora embora, ficando apenas saudosas recordações e, porque não dizer: irritação. Então, fiz o que aconselho fazer nessas circunstãncias: abandonei o local que provocava esses nocivos  sentimentos.

Porém, nesse dia dedicado às mães, espírito elevado, saudade de uma senhora de cabelos brancos e riso franco amenizada pelo afeto que me cerca,  resolvi vencer a preguiça matinal e fazer uma caminhada.  Ao passar pelo parque olhei para onde existia o velho e amigo portãozinho que nos conduzia para dentro da pista de caminhada, a chamada pista pequena e…

ELE VOLTOU!

Com um novo visual, com um velho cadeado o mantendo fechado, mas na essência ele voltou, sinalizando a possibilidade de ser aberto novamente.fotos novas 001

fotos novas 004

Falta só que seja aberto o cadeado que o mantém fechado.As “simpáticas” guardas do parque nada souberam informar. Vamos aguardar para que seja divulgado os horários de abertura e fechamento, porque não seria lícito imaginar que um portão fosse ser ali colocado  para não ser aberto.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Estatísticas do blog

  • 4.696.559 visitas
%d blogueiros gostam disto: