Resenhas

Junger, guerreiro e artista

 Imagem

Ex-militar condecorado pela sua participação na 1ª. Guerra Mundial e escritor premiadíssimo, o alemão Ernst Junger (1896-1999) teve uma obra e uma existência marcadas pelo oscilar entre a atitude contemplativa de esteta e artista e o engajamento destemido de guerreiro. Demonstram-no suas duas maiores obras, “Tempestades de Aço”, relato de suas experiências na Primeira Guerra e elogio à vida militar e do confronto bélico, e este “Nos penhascos de mármore”, publicado pela Cosac e Naify.

A história se passa em terras imaginárias: do alto de um penhasco, onde vivem uma vida de meditação e estudo, dois irmãos contemplam a cidade de Marina e suas regiões circundantes, ameaçadas por uma horda de bárbaros. Inicialmente, crêem que o mero poder da palavra e da linguagem poderá converter os invasores à civilização. Acabam, no entanto, por unir-se à luta física contra os invasores, aliando-se a um príncipe e um militar. Embora “Nos penhascos de mármore” seja frequentemente considerada um exemplo de um dos lados – o esteta – de Junger, é exemplo acabado de síntese do guerreiro e do artista que havia na obra e na personalidade do grande escritor alemão.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Estatísticas do blog

  • 4.847.895 visitas
%d blogueiros gostam disto: