Ciências Humanas, Livros

Rumo à Estação Finlândia

 

 

Imagem

Um trem vindo da Alemanha chegou à estação Finlândia, na cidade russa de São Petersburgo, no dia 3 de abril de 1917. Entre os seus passageiros encontrava-se Vladimir Ilitch Ulianov, mais conhecido pelo nome de Lênin. Naquela altura, o líder bolchevique já não se via como o indivíduo Vladimir Ilitch Ulianov, com desejos, fraquezas e problemas particulares, mas sim como um verdadeiro agente da história, disposto a tudo para construir um mundo melhor para a humanidade do futuro. A chegada à dita estação marcaria o culminar de uma corrente de pensamento, à época já contando quase dois séculos, caracterizada pelo culto ao progresso e pela crença nas forças históricas, no aperfeiçoamento do homem e na busca por um mundo melhor: a esquerda.

Está, assim, explicado o título de “Rumo à Estação Finlândia”, uma das mais celebradas obras do crítico e escritor americano Edmund Wilson (Editora Companhia das Letras, tradução de Paulo Henriques Brito). É um livro difícil de definir. Publicado em 1940, até hoje resiste às tentativas de catalogação. É História? Filosofia? Jornalismo? É provável que cada leitor de “Rumo à Estação Finlândia” tenha a sua própria definição do que é a obra. Quanto a mim, entendo que é um grande e abrangente ensaio – o gênero por excelência das obras “indefinidas”,  que arriscam conexões de saberes e novas interpretações sem seguirem um método rígido. Nele, Wilson mapeia o trajeto intelectual que levou Lênin a tomar o trem para a Estação Finlândia, partindo de Michelet, passando por Saint Simon, Marx, Bakunin, Trotski e chegando ao próprio líder soviético. A obra agradou, e segue agradando, tanto ao leitor comum quanto ao especializado, que, mesmo podendo fazer um ou outro apontamento às leituras de Wilson sobre certos personagens – em especial Marx, Lênin e Trotski, sobre os quais não se sabia muito quando ela foi escrita – não lhe pode deixar de admirar a erudição, a capacidade de síntese, a elegância do estilo e a capacidade de perceber e conectar as múltiplas vozes do pensamento progressista.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Estatísticas do blog

  • 4.796.787 visitas
%d blogueiros gostam disto: