Sem categoria

O tempo de Arturo Pérez-Reverte

As notícias que chegam da Espanha nos dizem que o país se encontra em profunda decadência econômica e social e que os espanhóis estão, como nos piores momentos de sua história, deixando a pátria em busca de emprego e meios de vida em outras terras. Quanto aos que ficam, dizem, estão cabisbaixos, tristes e sem perspectiva. No plano político, a insatisfação é imensa, com ameaças sérias de separatismo e denúncias diárias de corrupção. Típico país em decadência, portanto. Nada, claro, que assuste: este é um estado que os espanhóis conhecem bem. A Espanha é a nação decadente por excelência, ocupando o posto há – falando por baixo – mais de um século. É quase um decadente profissional. E, justamente nos momentos de maior decadência – digo “maior”, porque decadente tem sido sempre – a velha Espanha dá mostras de inquebrantável vivacidade intelectual. Lembremos das primeiras décadas do XX, época em que o destino de todo espanhol, fosse ele galego, basco, catalão, andaluz, asturiano ou castelhano, era arrumar sua trouxinha e bandear-se para este canto do mundo em que vivemos: naquele momento de miséria, guerra e crise, os espanhóis nos deixaram, num espaço curtíssimo de tempo, nada menos do que Unamuno, Azorín, Baroja, Ortega y Gasset, Antonio Machado e muitos outros. 

Diante disto, cabe perguntar: qual o grande nome que a Espanha sumamente decadente de hoje deixará para o mundo? É cedo para dizer. Já nos avisava Borges para nunca esperarmos menos de cem anos antes de julgar um escritor. Mas podemos arriscar um pouco, e pensar num nome que, se não temos certeza de que permanecerá daqui a um século, terá muito a dizer para o mundo de hoje, e em especial, para o Brasil de hoje: Arturo Pérez Reverte. 

É difícil imaginarmos daqui o impacto que tem no seu país este jornalista de 61 anos, ex-correspondente de guerra, romancista premiado e membro da prestigiada e seletíssima Real Academia Española. Para termos uma breve ideia, neste último dia 28 de outubro, às nove e meia da noite, milhões de cidadãos espanhóis deixaram seus Ipads de lado, cancelaram idas aos bares e restaurantes e ligaram seus televisores para assistirem a um programa de nome curioso para os tempos que correm por lá: “Salvados”. O motivo? Ali Pérez-Reverte concederia entrevista. O programa foi líder de audiência naquele horário e quem foi para a frente da TV não se decepcionou. Esperava a coragem, a frase certeira, a crítica corrosiva, a feroz e altiva independência que é, desde Sêneca, marca inconfundível dos espanhóis; encontrou o diagnóstico definitivo para seu país: “España es un país que está maldito históricamente. Perdimos dos ocasiones de oro, en el Concilio de Trento y en la época de la Revolución Francesa”. Opinou que “nos faltó lo que hubo en otros países, una guillotina” . Falou também de problemas que dizem respeito ao resto do mundo: “En otros tiempos, cuando las cosas iban mal, había ideologías que sostenían los ánimos. Ahora no hay líderes y la sociedad está indefensa. No hay una acción coordinada común ni una revolución que permita cambiar las cosas”. E por que? Em primeiro lugar, porque “Vivimos en un mundo con demasiados mecanismos de anestesia”. Há como discordar? 

“Escribo con tanta libertad que me sorprende que me dejen”, diz ele, provavelmente entre risos. Quem quiser pode acessar este blog mantido por um fã espanhol de Reverte, e ler uma compilação de seus artigos colhida de vários jornais espanhóis. A surpresa é mesmo inevitável: como dão espaço a este homem? Pérez-Reverte fustiga com igual vigor aos direitistas e aos esquerdistas, aos liberais e aos comunistas, a americanos e a anti-americanos, aos europeístas de seu país e aos anti-europeus de outras terras, aos militares, ao Estado, ao povo e à imprensa, com quem mantém relação complicada, tendo sido demitido várias vezes, de várias empresas, por nunca ter voltado atrás em uma opinião dada. Dureza, talvez, de ex-correspondente de guerra, presente em conflitos tão sangrentos e bárbaros quanto a guerra do Líbano, de 1982, ou da Iugoslávia, nos anos 90. Dureza, talvez, de espanhol: em certos momentos a prosa de Reverte assemelha-se à do seu compatriota Pío Baroja, que, como ele, exerceu o jornalismo e a ficção e notabilizou-se pelas observações impiedosas sobre seu país e a condição humana em geral, recebendo por isso o qualificativo revelador de “el hombre malo de Itzea”. Por isso tudo, a leitura de Pérez-Reverte desde o Brasil é altamente reveladora sobre o tipo de jornalismo que temos. Aqui não há “hombres malos”: há bons moços do grupo A contra bons moços do grupo B. O jornalista que se autodenomina independente e crítico do que chama de politicamente correto pertence a um tipo bem definido, com características perceptíveis até mesmo pelo estilo em que escreve. É seletivo: ataca apenas a parcela do discurso hegemônico que lhe interessa atacar. Fecha os olhos para a outra e, como bom moço que é, reclama a todo momento que é um perseguido. O “hombre malo” Pérez Reverte jamais faz isso: aceita o caminho que escolheu e suporta-o, como bom espanhol, estoicamente. 

Isso tudo é surpreendente para o brasileiro, mais do que para o espanhol, mais do que para Pérez-Reverte. Será fácil dizer que essa dificuldade de nossa imprensa se deve ao nosso caráter conciliador, ao homem cordial, ao jeitinho e assim por diante. Não porque estas figuras não existam, mas sim porque, no mundo, este tipo de jornalista é a regra. A exceção fica na decadente Espanha de nossa época. Gerardo Mello Mourão atribui a Gilberto Amado a seguinte resposta, ao lhe perguntarem em que país gostaria de ter nascido: “Em qualquer um, desde que em tempo de decadência”. Ter nascido aqui ou acolá é um acidente, a que não se pode perdoar nem louvar. Por isso, quanto a mim, não sei se gostaria de ter nascido em outro lugar. Mas posso dizer que gostaria partilhar com os espanhóis o tempo de Arturo Pérez-Reverte. 

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Estatísticas do blog

  • 4.847.895 visitas
%d blogueiros gostam disto: