Anúncios
Literatura, Livros

Viagem através da estepe

85137_gg

Quando Tchékhov publicou a novela “A Estepe”, sua então incipiente obra consistia apenas em alguns contos curtos publicados em revistas literárias, elaborados nos intervalos do exercício de sua profissão, a medicina. Era, portanto, a sua primeira narrativa mais longa. E ele não a poupou daquela mirada irônica tão característica sua, que fizeram-lhe a fama como contista de primeira ordem: “minha ‘Estepe’ não parece uma novela, mas uma enciclopédia da estepe”, disse ele em carta a um amigo.

O tom era levemente jocoso, mas o julgamento do autor tinha sua razão de ser: nas 144 páginas desta recém-publicada edição brasileira de “A Estepe” traduzida por Rubens Figueiredo destaca-se o espaço em que a história se passa, a estepe russa, a vastíssima planície da Eurásia que sempre provocou nos povos que a habitam aquela sensação de horizonte infinito e de tempo dilatado que convida a caminhar sem rumo.  E os artistas russos – escritores, pintores, cineastas – sempre souberam responder a esse convite, transformando-a em matéria para a criação. 

Neste ambiente dá-se a viagem do garoto Iegorutchka de sua terranatal até a escola particular, situada numa cidade longínqua. Está acompanhado de seu tio e de um padre, que passam o tempo inteiro discutindo sobre os mais variados temas, enquanto a mente infantil do menino percebe e processa pequenos e significativos acontecimentos. Tchekhov atua aí como um paisagista da trajetória do menino pela estepe, onde desfilam os tipos humanos da região e da época: o camponês, o judeu, o mujique, o comerciante, o vagabundo. Mas sobretudo desfila o menino Iegorutchka e sua visão ainda ingênua dos homens e do mundo, que aos poucos se transforma conforme a viagem avança. Nesta relação entre ele, aqueles homens e aquele mundo constitui-se a narrativa de “A Estepe”, pontuada pelo detalhe, a nuance e tudo o que a mirada apressada não capta. Podemos pedir licença para discordar um pouco de Tchékhov: ” A Estepe” é uma pequena obra-prima. 

*         *            *            *

“Nas tardes e noites de julho, as codornas e os sisões já não piam, os rouxinóis já não cantam nas ravinas cobertas de florestas, as flores não exalam perfume, mas toda a estepe continua linda e cheia de vida. Mal o sol vai embora, a neblina envolve a terra e a tristeza do dia é esquecida, tudo é perdoado e a estepe suspira de leve, com seu peito largo. ” 

*         *            *            *

A ESTEPE, de Anton Tchékhov

EDITORA: Companhia das Letras

TRADUÇÃO: Rubens Figueiredo

Nº DE PÁGINAS: 144

PREÇO: R$ 24,90

ONDE ENCONTRARwww.companhiadasletras.com.br

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Anúncios

Apoio

INSTAGRAM DA ARTISTA YASSMINE PITOL

Falando um pouco sobre (contra o) marketing infantil durante o #IACL , evento incrível que ocorreu na Faculdade de Direito da #UFRGS. #workinprogress #watercolor 😊 🌞🌞 #skyline 😊😊 Essa aquarela foi finalizada neste final de semana, mas sempre acho interessante lembrar dos momentos em que a tinta estava secando :) #watercolor #aquarela #gaucho #arts #art

Mais recentes

Estatísticas do blog

  • 2,276,754 visitas
%d blogueiros gostam disto: