Anúncios
Mundo

Um golpe militar na Grã-Bretanha?

troops2803_468x293

É o que parece prometer um general do Exército Britânico caso Jeremy Corbyn, recém-eleito líder do Partido Trabalhista, venha a ser Primeiro-Ministro do país.

Segundo informações da edição dominical do “The Times”, o general – que, por motivos compreensíveis, preferiu permanecer no anonimato – disse que lideranças do Exército estão profundamente descontentes com as propostas de Corbyn para as forças armadas e a política externa do país. Estas propostas, que vêm gerando discussões desde o momento em que foram divulgadas, incluem a saída da OTAN, o desarmamento nuclear e a reorganização geral da política externa.

“O Exército agirá”, disse ele. “Não permitiremos que um primeiro-ministro comprometa a segurança deste país. Creio que seriam utilizados todos os meios possíveis – justos ou não – para impedir que isso aconteça. Não podemos colocar a segurança do país nas mãos de um aventureiro”. 

Essa declaração praticamente ressoa outra declaração, esta de autoria de ninguém menos do que o atual  primeiro-ministro, o conservador David Cameron, para quem o Partido Trabalhista sob a liderança de Corbyn “é uma ameaça para a segurança nacional“.

E o anônimo general continua: “Haverá demissões em massa em todos os níveis e veremos a possibilidade real de que venha a ocorrer um motim”.

Jeremy Corbyn é representante da ala mais à esquerda do Partido Trabalhista e, desde que venceu as eleições internas da agremiação, vem sendo alvo de muitas críticas dos conservadores, da imprensa e dos próprios companheiros  de partido. Esta é apenas a mais recente delas – e a mais perigosa, não só para ele como para a democracia britânica no seu todo.

Anúncios

Discussão

Um comentário sobre “Um golpe militar na Grã-Bretanha?

  1. A mesma fábrica de chantagens que foi posta em movimento quando do referendo pela independência da Escócia: a City londrina.

    Um dos raros desgostos que tive ao conhecer Londres foi passar, ao lado da Saatchi Gallery, em pleno bairro de Chelsea (Moinhos de Vento e Higienópolis são classe média perto deste), uma Ferrari toda cromada. Não guardei bem as feições do dono, mas devia ser:

    a) Um membro da família real saudita;
    b) Um sheikh de um país correlato, daqueles que lavam fortunas em times de futebol da ilha;
    c) Um parente distante de um ditador de uma republiqueta com o sufixo “istão”.

    Qualquer uma das três opções, alguém que não deveria estar lá. $abemos o$ porquê$ de e$tarem. Alguém com quem o tal general certamente tomaria uns drinques (ou tu achas que eles seguem à risca à proibição islâmica do álcool?).

    Moral da história: tem horas que a ilha lembra um certo país tropical nos anos 60. Não pode falar de direitos sociais que a milicada bota as patas. Com a diferença fundamental de que são muito mais bem equipados e treinados.

    Curtir

    Publicado por Diogo Terra | 21 de setembro de 2015, 16:43

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Anúncios

Apoio

INSTAGRAM DA ARTISTA YASSMINE PITOL

Falando um pouco sobre (contra o) marketing infantil durante o #IACL , evento incrível que ocorreu na Faculdade de Direito da #UFRGS. #workinprogress #watercolor 😊 🌞🌞 #skyline 😊😊 Essa aquarela foi finalizada neste final de semana, mas sempre acho interessante lembrar dos momentos em que a tinta estava secando :) #watercolor #aquarela #gaucho #arts #art

Mais recentes

Estatísticas do blog

  • 2,276,976 visitas
%d blogueiros gostam disto: