Anúncios
Sem categoria

Atletas Brasileiros nas Olimpíadas de inverno 2018- Isadora Williams.- Saiba mais sobre Patinação artística

Calendário, programação, horários e transmissão da participação dos brasileiros nas Olimpíadas de Inverno de 2018

PATINAÇÃO ARTÍSTICA
22h às 2h15 – Programa livre feminino individual (Isadora Williams*)

Atualização- Isadora Williams participará da fase final, eis que alcançou a 17 colocação na disputa do dia 20/02.

 

isad

isadora

Na Patinação Artística, Isadora Williams A primeira patinadora brasileira a disputar as Olimpíadas de Inverno – Sochi 2014. chega a sua segunda edição olímpica. Nascida em 08 de fevereiro  de 1997, em Marietta, estado da Georgia-USA, filha de mãe brasileira, mineira de Belo Horizonte, e pai norte-americano, Isadora nunca morou no Brasil e tem dificuldades no manejo do português. “Estudei português. Sei ler, escrever e consigo conversar, mas fico nervosa com as entrevistas ao vivo e acabo misturando tudo”, admite Isadora que iniciou a patinação aos cinco anos de idade. “Entendo tudo quando eu converso em português, mas existem palavras que são difíceis de pronunciar. Queria passar mais tempo no Brasil para ganhar fluência, mas agora não consigo”, diz.

Aos 13 anos foi convidada pela  Confederação Brasileira de Desportos no Gelo (CBDG) para representar o Brasil nas competições internacionais de patinação.

Vídeo de Isadora em Sochi/2014

team-canada-gangneung-ice-arena

Gangneung Ice Arena.

A Patinação Artística um dos mais populares esportes de inverno, e foi o primeiro a ser incluso em uma edição de Jogos Olímpicos, em Londres, na Inglaterra, no ano de 1908. A Skating Union (ISU), foi fundada em 1892, e redigiu as primeiras regras do esporte, a partir dali, regendo tanto a patinação artística como a em velocidade. Em 1896 o primeiro campeonato internacional foi sediado, na cidade de São Petersburgo, na Rússia,

Equipamento e Pistas

img-equipamento-e-pista

Os dois principais equipamentos da patinação são o par de patins e o vestuário. Ambos devem ser feitos para auxiliar a performance do atleta e combinarem com o tema da apresentação. As pistas são semelhantes às de Hockey e da Patinação em Velocidade, porém não possuem marcações.

Patins – Os patins são feitos com couro, um salto de madeira e uma lâmina de aço. Diferem dos patins de Hockey por não serem feitos para aguentar batidas, e sim para auxiliar no pulo e no balanço dos atletas.

Vestuário – Influenciam diretamente na competição. São feitos sob medida para se ajustarem o máximo possível ao corpo do atleta, além de fazerem parte importante para a combinação da música e da apresentação.

Pistas – As pistas podem ser naturais ou artificiais. As pistas naturais existem apenas em países com clima frio, e durante a temporada de inverno. As pistas artificiais podem ser construídas em qualquer clima, e são utilizadas para as competições oficiais. As medidas Olímpicas são 30m x 60m e as pistas devem ter seu gelo restaurado periodicamente, para não haverem acidentes.

A Competição

 

As apresentações diferem dependendo da categoria, e o tempo de execução e o modo de avaliação são próprios para cada categoria.

Categorias Individuais (Masculino e Feminino)

São compostas por dois programas, o programa curto, em que o atleta executa movimentos pré-determinados, e o programa longo, ou Free Skating (Patinação Livre) em que o atleta define sua apresentação. Em algumas competições os atletas só se apresentam no programa livre caso se classifiquem no programa curto.

Programa Curto – Têm dois minutos e meio de duração, e os atletas devem exercer os movimentos requeridos, apesar de a ordem ser opcional.
Programa Livre – Dura quatro minutos e meio para os homens e quatro minutos para as mulheres. Os patinadores montam suas apresentações, devendo constar saltos e giros, além de uma atenção especial dada à coreografia, a interpretação e à todo o trabalho corporal.

img-a-competicao-2

Pares e Duplas – No caso dos pares os elementos são executados lado a lado ou de forma espelhada. As Duplas apresentam movimentos similares a apresentação solo, adicionados dos movimentos que só podem ser executados em dupla, tais como os levantamentos e piruetas sincronizadas, em que o casal gira ao mesmo tempo. Outro movimento que requer grande prática, sincronização e excelência de plasticidade é quando o homem lança a mulher, auxiliando o salto.

Dança no Gelo – Nesta categoria, a dupla de patinadores é avaliada principalmente pelos elementos da dança. Não são permitidos saltos, piruetas ou levantamentos sobre as cabeças, formando uma modalidade puramente artística.

Esta disciplina é composta por dois programas:
– Dança Curta (Short Dance)
– Dança Livre (Free Dance)
De modo a diferenciar a Patinação de Dança da Patinação de Pares há uma série de regras que os pares de dança são obrigados a cumprir; não são permitidos saltos com mais de meia volta ou piruetas e os patinadores não podem estar separados mais do que poucos segundos ou compassos musicais.
Nesta disciplina o ajuizamento é feito com base no nível de dificuldade dos passos/trabalho de pés, o entrosamento entre os parceiros, o ritmo e a harmonia com a música.

Os Elementos das Apresentações

Existem diversos elementos na patinação, alguns obrigatórios para todas as apresentações. Todos os movimentos rendem pontos que são somados para a avaliação final.

Piruetas (Spins)

As piruetas são um componente técnico da Patinagem Artística, em que o atleta roda sobre si próprio num indeterminado número de voltas. Essa rotação pode ser executada nos dois ou apenas num pé (direito ou esquerdo). Podem existir combinações de piruetas em que se muda o pé de apoio sem nunca parar a rotação. Cada pirueta para ser considerada como tal deverá ter no mínimo uma rotação de três voltas em cada pé.
As posições das piruetas podem variar desde a posição de pé, sentada e avião, sendo estas as posições básicas.
Os exemplos que se seguem são alguns das piruetas básicas para esta modalidade, podendo, no entanto existir variantes para cada um deles:

Pirueta para a frente: uma pirueta rápida executada na posição de pé em que o peso está sobre o rodado interior. O primeiro dente da serrilha toca ligeiramente a superfície do gelo.
Pirueta para trás: tem a mesma rotação que o anterior mas o peso está sobre o rodado externo do pé contrário. Roda no sentido oposto ao dos ponteiros do relógio.
Pirueta layback: é uma pirueta para a frente ou para trás (menos usual) numa posição especifica (Layback =inclinação do corpo para trás).
Pirueta sentada: pirueta feita na “posição sentada”; o corpo está próximo do gelo com o joelho da perna de apoio bem dobrado.
Pirueta de avião: é uma pirueta para a frente em posição de avião (“T” paralelo à superfície do gelo, com a perna livre numa posição horizontal).
Pirueta saltada: pirueta com a entrada saltada, seguido de uma pirueta sentada ou de uma pirueta de avião.
Além destas piruetas existem outras que são variações das piruetas básicas. Foram piruetas que vários atletas tiveram imaginação e habilidade para faze-los.

img-saltos

Saltos -Consideram-se saltos os exercícios que sejam feitos pelo patinador com uma rotação superior a meia volta e cuja entrada e saída seja feita apenas num pé. O pé de entrada e de saída pode variar consoante o tipo de salto.

Na maioria das vezes o pé de entrada do salto é diferente do pé de saída, no entanto existem saltos em que isto não se verifica. Todos os saltos podem ser combinados entre si e considera-se uma combinação de saltos quando o pé de saída de um salto corresponde ao pé de entrada para o salto seguinte, não havendo entre eles nenhum passo que os interliguem. Normalmente os saltos são executados com rotação oposta ao dos ponteiros do relógio, contudo e caso se trate de um atleta canhoto, estes são realizados no sentido horário e com o pé contrário.

img-saltos-1

Seguem-se alguns exemplos de saltos com grau de dificuldade crescente:

Salto de Valsa: salto de meia volta, com entrada de frente num pé e saída de costas no pé contrário.

Toe Loop: salto picado, isto é, a entrada do salto é feita com ajuda da serrilha do pé esquerdo (neste caso) e de costas. É um salto em que a rotação mínima é de uma volta.

Salschow: é aproximado a uma volta de três (volta num pé sem sair do chão). A entrada é feita de costas e a perna de impulso é a esquerda. No momento da impulsão a perna direita aproxima-se da esquerda para dar a rotação necessária.

img-saltos-2Loop: a entrada deste salto é feita de costas e a perna de impulso é a mesma que a da saída.Flip: é um salto que é feito com a ajuda da serrilha do pé direito e sobre o rodado interno do pé esquerdo; a saída é feita na perna direita.

Lutz: é semelhante ao anterior diferindo apenas no rodado da entrada que neste caso é exterior.

Axel: este salto tem a rotação mínima de uma volta e meia por ser um salto em que a entrada é feita de frente com a perna esquerda a ser a de contacto com o gelo e a perna direita a perna de saída do salto.

Os saltos podem ser executados com rotação simples (1 volta no ar), dupla (2 voltas no ar), tripla (3 voltas no ar) e também quádrupla (4 voltas no ar).

A maioria dos saltos tem o nome da pessoa que primeiro o efetuou em uma prova, por conta disso, não existe tradução para outras línguas.

Regras de Avaliação e Pontuação

Até 2004 o sistema utilizado era o 6.0, até que por conta das controvérsias envolvendo o método nos Jogos de 2002, a ISU decidiu adotar o método internacional, agora chamado de ISU Judging System.

Sistema 6.0 – O sistema era dividido em “mérito técnico” (Free Skating), “elementos requeridos” (programa curto) e “apresentação” (nos dois programas). As notas variavam entre 0.0 e 6.0, cada juiz dava as suas próprias notas, que então eram combinadas para definir a colocação final dos atletas. Apenas dois atletas conseguiram notas 6.0 de todos os juízes, a dupla inglesa da dança no gelo composta por Jayne Torvill e Christopher Dean, nos jogos de 1984. O sistema permaneceu em uso até os Jogos de 2002, quando um escândalo envolvendo as notas e trocas de juízes fez o sistema ser substituído pelo sistema da ISU.

ISU Judging System (sistema de julgamento da ISU) – O sistema atual é dividido em duas etapas. O especialista técnico avalia o replay instantâneo e julga se os elementos apresentados estavam de acordo, anotando qualquer erro ou irregularidade. Então, após passar pela etapa técnica, os vídeos dos elementos são mandados para o painel de julgamento, onde nove juízes avaliam e dão as notas finais.

Vídeo sobre patinação artística

 

 

Fonte: CBDG

Atletas Brasileiros nas Olímpiadas de inverno 2018- Saiba mais sobre Bobsled

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Anúncios

Cartões da coleçao “Espaços do meu olhar”, de Yassmine Uequed Pitol

INSTAGRAM DA ARTISTA YASSMINE PITOL

#tbt desenho de 2014 (pastel oleoso e lápis sobre papel canson) #Runners Desenhando desde ... Esperando secar a tinta #oilpaint #workinprogress Passo a passo #watercolor Verão

Mais recentes

Estatísticas do blog

  • 2,553,085 visitas
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: