Anúncios
Livros

Resumo de “Hamlet”, de William Shakespeare (Leituras obrigatórias da UFRGS)

Acredita-se que William Shakespeare tenha composto “Hamlet” entre os anos de1599 e 1602.

O Inglês shakespeariano sela o começo do inglês moderno. Um leitor inglês de nosso século pode compreendê-lo, embora necessite, aqui e acolá, de uma consulta ao dicionário.

O protagonista da história é Hamlet, príncipe da Dinamrca, cujo pai, o rei Hamlet, acaba de morrer. Seu tio, Claudio, assume o trono e casa-se com a mãe de Hamlet, Gertrudes. A situação política na Dinamarca é complicada: existe a permanente suspeita de que os norugueses, seus belicosos vizinhos, planejam uma invasão em resposta.

O cenário da peça é Elsenor, onde está a corte dinamarquesa.

 

 

Personagens:

Hamlet – príncipe da Dinamarca, filho do rei homônimo,

Cláudio – rei da Dinamarca, irmão do pai de Hamlet

Fortimbrás – príncipe da Noruega

Horácio – amigo de Hamlet

Polônio – lorde

Laertes – filho de Polônio

Voltimand, Cornélio, Rosencrantz, Guildernstern, Um cavalheiro, um sacerdote – cortesãos

Marcelo e Bernardo – oficiais

Francisco – soldado

Reinaldo – servidor de Polônio

Um Capitão

Embaixadores ingleses

Atores

Dois camponeses

Gertrudes – rainha da Dinamarca e mãe de Hamlet

Ofélia – filha de Polônio

Espectro do pai de Hamlet

 

 

ATO I

Nas proximidades do castelo de Elsinore, lar da família real dinamarquesa, Marcelo e Bernardo chamam Horácio, amigo do príncipe Hamlet, para testemunhar a aparição de um espectro do recém-falecido rei Hamlet. Após uma nova aparição do espectro, os três avisam o príncipe.

No outro dia, reúnem-se o Rei Cláudio, a rainha Gertrudes e Polônio. O filho de Polônio, Laerte, ganha a permissão para voltar a estudar em Paris. Ao mesmo tempo, Hamlet é proibido de voltar para a sua universidade, em Wittenberg. No fim, Hamlet mostra-se sem consolo pela morte do pai e pelo novo casamento da mãe. Horácio avisa-o do espectro, e Hamlet, curioso, procura vê-lo. O espectro aparece para Hamlet e informa que ele, seu pai, foi assassinado por Cláudio. E mais: exige vingança. Hamlet, consternado, promete vingar-se. A Horácio conta seu plano: fingir-se de louco e atuar para vingar-se.

Ofélia,a irmã de Polônio, está apaixxonada por Hamlet, mas Laerte, seu irmão, exige que ela pare com isso.

ATO II

Ofélia conta a seu pai que viu Hamlet agir como louco. Polônio diz que a razão para isso é o fato de Hamlet ter-se apaixonado por ela. Quando vai informar o casal real, encontra-os com Rosenkrantz e Guildernsten, dois estudantes que recebem a missão de investigar os motivos do comportamento de Hamlet.
Surge a informação de que o rei norueguês Fortimbrás pretende atacar a Polônia, em vez da Dinamarca, e precisará passar pelo território dinamarquês.

Polônio, após pôr o casal real a par da sua suspeita das razões da loucura de Hamlet, encontra o príncipe a fim de buscar mais informação. Em seguida, aparecem Rosenkrantz e Guildernstern, e Hamlet logo percebe que são espiões.
Os dois dizem que trouxeram atores, que encontraram em viagem. Hamlet então os encontra, dá-lhes boas vindas e, após despedir-se dos dois espiões, pede aos atores que interpretem uma peça sobre a morte da rainha Hécuba e do rei Príamo. A execução é ótima, e então Hamlet tem a ideia de pedir que os dois encenem a peça “O assassinato de Gonzago”, cujo enredo é parecido com o da morte do seu pai. Com o rei Claudio assistindo, Hamlet pretende estudar-lhe a reação e confirmar se ele reage como culpado ou não.

ATO III

Polônio e Cláudio observam as reações de Hamlet às cartas de amor de Ofélia. Hamlet então começa o famoso monólogo do “Ser ou não ser”. Ofélia então entra, dá-se uma discussão entre ele e ela. Cláudio observa tudo e conclui que Hamlet não está apaixonado por ela. Logo em seguida, a corte se reúne para assistir à peça que Hamlet preparou. Cláudio, ao assistir o ator que interpreta o rei ser assassinado na peça, levanta-se e sai da sala. Isso, na visão de Hamlet, mostra definitivamente que ele é o culpado pela morte de seu pai.

Gertrudes chama Hamlet e pede uma explicação. Os dois brigam. Polônio, escondido por detrás de uma cortina, pede ajuda. Hamlet o esfaqueia, pensando que é Cláudio atrás da cortina. Polônio morre. Hamlet então diz à mãe, irritado, que ela ignora quão mau é Cláudio. Nisso entra o espectro, criticando Hamlet. Os dois conversam. Gertrudes,no entanto, não consegue ver o espectro – tudo o que vê é Hamlet falando sozinho.
Isso, para ela, denota que está louco. No fim do ato, Hamlet pega o cadáver de Polônio e implora para que a mãe deixe Cláudio.

 

Ato IV

Hamlet conversa com Cláudio sobre onde ele escondeu o corpo de Polônio. Hamlet é então enviado à Inglaterra, em companhia de Rosencrantz e Guildenstern.

Laerte, que estava na França, retorna, pela morte do pai. É convencido por Cláudio de que Hamlet é o responsável. No entanto, o retorno de Hamlet à Dinamarca frustra os planos de Cláudio. Sugere então uma luta de esgrima entre Laerte e Hamlet, onde o primeiro ganharia uma arma envenenada e, se ela falhar, Hamlet ganharia vinho envenenado como prêmio para sua vitória. Gertrudes então informa que Ofélia se afogou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Anúncios

Mais recentes

Estatísticas do blog

  • 4.364.299 visitas
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: