Literatura

Resumo e análise de “Romanceiro da Inconfidência”, de Cecília Meireles

Cecília Meireles

O momento e a autora

“O Romanceiro da Inconfidência” foi publicado em 1953. Foi época de intenso interesse pelo passado de Minas Gerais por parte de muitos escritores das Alterosas: em 1951, Drummond publica “Claro Enigma”, contendo uma parte inteira dedicada à sua terra natal; em 1954, é a vez de Murilo Mendes e a sua “Contemplação de Ouro Preto”.

No caso de Cecília, o que despertou seu interesse foi uma visita a Ouro Preto como jornalista, no começo daquela década. A carioca apaixonou-se perdidamente pela cidade, pela história mineira e pela Inconfidência Mineira. Cecília era, na altura, poetisa reconhecida: com mais de dez obras publicadas em poesia, prosa, ensaio e crítica, havia recebido o Prêmio da Academia Brasileira de Letras por “Viagem”, publicado em 1939. Nada, contudo, lhe garantiria lugar na posteridade como o “Romanceiro da Inconfidência”.

Ouro Preto (MG): 41 dicas para uma viagem perfeita!

A obra

Que é o romanceiro? É uma coleção de romances – um tipo de forma poética da Ibéria medieval. Segundo Segismundo Spina, é uma forma híbrida, pois registra os grandes feitos de um cavaleiro – típico da poesia épica – com um tom subjetivismo – algo típico da poesia lírica.

Esse hibridismo está presente no tom e na forma do “Romanceiro da Inconfidência”. Um romanceiro, diz-nos Spina, conta algo. E o que o “Romanceiro” de Cecília nos conta? O nome já nos fornece uma pista: conta-nos acerca da Inconfidência Mineira. Mas não só isso: ele parte da História de Minas Gerais dentro do contexto da colonização portuguesa, com a descoberta do ouro, a migração massiva de portugueses e a escravidão, até culminar com a revolta propriamente dita sob a liderança de Tiradentes. Ou, nas palavras de Cecília,

“Narrar o que foi ouvido nestes ares de Minas, especialmente nesta Ouro Preto, cheia de ressonâncias incansáveis – e apontar nessa interminável confidência o que lhe dá eternidade, o que não é somente uma palavra ocasional, local, circunstancial -, mas uma palavra de violenta seiva, atuante em qualquer tempo, desde que interpretada, como ontem os oráculos e as sibilas”.

Em seus 85 romances, ele traz um amálgama de épico, lírico e dramático – épico ao narrar o fato, dramático ao focar as ações e lírico ao enfatizar o eu poético. Eis aí o hibridismo de que fala Spina.

Não é fácil separar o “Romanceiro” por partes estanques O caráter semi-fragmentário da obra, com idas e vindas, mudanças de temas e lugares, dificulta esse tipo de classificação. Contudo, grosso modo, o livro é dividido em três partes, narradas, em sua maior parte, na primeira pessoa. A métrica preferida por Cecília é a redondilha – tanto a menor, com cinco sílabas, como a maior, com sete -, muito comum no período trovadoresco da poesia ibérica.

A primeira centra-se na formação da cidade de Ouro Preto e na organização da Inconfidência.

A segunda narra os eventos da Inconfidência.

A terceira encerra a obra abordando as consequências da Inconfidência, com o enforcamento de Tiradentes, o degredo dos inconfidentes e a solidão das mulheres.

Murilo Mendes definiu o “Romanceiro” como poesia social de primeira ordem. Segundo o poeta mineiro, ele “resulta de uma combinação homogênea entre força poética, domínio da língua, erudição, e senso do detalhe histórico valorizado em vista de uma transposição superior, própria ao código da poesia”.

Esse senso de detalhe histórico com vistas a uma transposição superior parece consubstanciado em um dos trechos finais da obra, onde Cecília pergunta:

Quais os que tombam,

em crimes exaustos,

quais os que sobem,

purificados?

Os inconfidentes não são meros homens de ação concreta e histórica. Para Cecília, a criação poética usa o registro histórico como ponto de partida para o desvelamento de uma mensagem espiritual. O evento histórico guarda um significado transcendente – uma mensagem, ocupando uma posição dentro do cosmo como episódio significativo da história humana.

 

 

 

 

 

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Estatísticas do blog

  • 4.847.890 visitas
%d blogueiros gostam disto: